sexta-feira, novembro 27, 2009

A história de cafas

Arthur estava chegando do trabalho quando encontrou Alice sentada na calçada com um pedaço de papel na mão. Parecia ter chorado um pouco, devido aos olhos um tanto quanto vermelhos. Amigo de infância como era, ficou preocupado:
-Alice? Tá tudo bem?
-Oh, Arthurzinho, não tá nada bem! Aquele calhorda do Pedro me paga!
-Mas o que o Cafas fez?
-Cafas? Isso mesmo, cafajeste! Como pude ser tão burra? Um mês de namoro com ele e eu nem desconfiei de nada... Uma infância e adolescência com ele e eu nunca desconfiei de nada!
-Ele te contou tudo? Sabe que eu não poderia contar por ser quase um irmão dele...
-Tá tudo bem, pelo menos eu sei que só você sabia...

Alice estava agitada. A raiva parecia não ter passado.

-Sabe o que o safado fez? Foi embora!
-Embora? Como assim? Eu tinha escutado dele que ele estava tentando se ajeitar...
-Que se ajeitar que nada! Aquele safado não tem jeito não! Que raiva!
-...
- Olha a carta que ele me deixou. Não, não é uma carta de amor não, jamais ele faria isso! Escuta isso:
“Querida Alice, mesmo sabendo do acesso de fúria que terá ao ler a carta, saiba que foi o melhor para nós dois. Primeiramente, meu apelido não é Cafas por conta de uma fantasia de Califa em um carnaval, não é nada disso. O Arthur, assim que soube de minhas histórias, passou a me chamar de cafajeste e a esquecer meu nome. Para ficar um pouco mais suave, diminuiu para Cafas, e isso foi há mais de dez anos, em nosso início de adolescência.

Saiba, querida, que desde a mais tenra idade que eu sou um mulherengo, não tenho culpa. Juro que tentei me ajeitar com você. Tu era a minha esperança de salvação, mas não deu certo. O problema não foi você, e isso não é apenas clichê. Eu sou um problema ambulante no quesito relacionamento sério.

Não consigo, juro, ver uma mulher sofrendo, carente ou o que quer que seja. Meu pai me ensinou a sempre tratar bem as mulheres – A uma mulher não se nega amor, foi o que me disse. E eu não conseguia. Eu te amei, pode ter certeza, mas amar uma só mulher era negar amor para todas as outras. Um egoísmo sem tamanho! E, contraditoriamente, morria de ciúmes de você com seu amigo do curso de inglês. Eu tão solto e ao mesmo tempo tão apegado.

Assim, desde mais novo fui plantando cada vez mais rosas em meu jardim. Hoje em dia, em todo local eu possuía uma rosa que regava com muito amor. No trabalho, no curso de espanhol, na faculdade, na praia, no forró, no rock, no brega, no reggae, na rave... E assim ia, seguindo minha sina. Quando eu nasci um anjo safado veio dizer para mim: na vida será sempre amante, mas não terá ninguém pra si.

E na verdade, o problema é que eu tinha muito amor pra dar, ainda tenho, e não conseguia me controlar. Por um momento, todo esse amor foi teu, verdadeiramente. No entanto, não pude suportar, era amor demais para uma pessoas só e, além de egoísmo, poderia te sufocar.

Quero te agradecer, além da longa amizade, mesmo eu te escondendo esse meu segredo, por ter me ensinado tanto sobre relacionamento, mesmo tendo sido apenas um mês. Foi o meu mais duradouro e mais feliz, pode ter certeza. Espero me curar e, um dia, quem sabe, você me perdoar para sermos bons amigos.

No mais, você é uma mulher maravilhosa, o sonho de todo homem (eu sou muito burro mesmo). Tenho consciência de não encontrar outra igual. Não falo isso para todas, como deve estar pensando. Tu foi a única verdadeira dona do meu coração, desde aquele dia em que, crianças, me derrubou do muro e eu quebrei uma perna. Ali, não ganhei apenas aqueles quarenta pontos na perna, ganhei um amor que levarei para vida toda.

Vou passar um tempo no interior na casa de uma tia. Como ela mora sozinha com minhas primas desde que o tio morreu, vou ver se posso ajudar por lá. Eu volto um dia, mas não espero que me perdoe. No entanto, eu tentei...

Desejo tudo do bom e do melhor para você.
Se cuida.
Beijos!

Pedro”

-Eu posso com isso? Não posso! Que safado!
- Poxa, Alice, não sei o que dizer...
-Você é cúmplice dele, calado já ta errado, mas não tem culpa de nada não, meu negócio era com ele. Se eu pudesse ter falado com ele antes dele partir...
- Você pediria para ele ficar?
-Que pedir pra ficar que nada! E eu lá sou colecionadora de chifres? Eu queria mesmo era que ele devolvesse meus cds da Legião e do Cazuza!
=]

8 comentários:

Jéssica Trabuco disse...

que cara safadooo!
huahuaha
ameii a parte que ela queria só os cds!

Simone Schuck disse...

"Quando eu nasci veio um ajo safado, o chato d'um querubim, que decretou que eu 'tava predestinado a ser errado assim (...)!"

lorena disse...

esses cafas

sei naum viu. acabam com o resto de reputação que os homens ainda tem. rsrs

pelo menos foi um cafas sincero, coisa que eu pelo menos ainda não vi. hehe

Rafaela disse...

acabou mesmo com o resto dos homens kkkk
Essa discrição, me lembra alguem
ueheuheuheuhu.
Muiito bom mesmo o texto.

Claudio Henrique disse...

Legal a parte em que ele queria os cds. Muito bom o post.

Abraços e boa semana

Jéssica Trabuco disse...

Obrigada moço!
Aperece sempre lá viu?

Felicidade Clandestina. disse...

Nossa ,obrigada pela visita e pelas palavras bacanas no meu ultimo post (: !
Lindo o teu e os teus textos são bem legais !
Adorei*
Beijos doces e um ótimo restinho de semana :**

Hilário Ferreira disse...

Por falar em Cafas, às vezes(bem às vezes)eu rio com esse blog:


http://www.manualdocafajeste.com/