sábado, outubro 24, 2009

As musas, às musas

Eu tinha planos de colocar uma outra coisa aqui, mas não deu pra segurar.
Fica como uma homenagem aos velhos tempos também, quando eu não enrolava pra postar, terminava de escrever e já vinha para cá.
Até o próximo.
Beijos e abraços.
=]


De repente a ficção invadiu a realidade. Minhas musas resolveram todas aparecer em um dia só. Em carne e osso. Não como as imaginei, mas uma representação carnal muito bem feita. Obrigado, pais e mães, fizeram um excelente trabalho. Não ia escrever sobre isso, no entanto, como se fingir de morto ao ver uma série de estrelas cadentes passarem por você?

A mulher mais velha a me encarar como se me conhecesse de algum lugar, do qual nem eu sabia de onde era (sonhos e versos contam?). A moça com roupa da academia a passar por mim como se eu fosse um poste, bem feio por sinal. A moça com farda, brinco de pena de alguma coisa, cadernos na mão e malicioso sorriso no rosto.

A moça de olhos verdes brilhantes a me sorrir alegremente a cada besteira dita ou olhar trocado. A morena raiz, rainha, imperatriz e o que mais ela quisesse ser, pois poderia.
Tão bonita que se meu relógio digital fosse uma ampulheta, a areia pararia de cair somente para ficar olhando para ela.

A moça que vende maçãs do amor e no mesmo instante ganha o meu, a moça pedindo informação e não querendo ir embora, a moça rindo tão alto e tão gostoso que todos querem rir junto, a moça apaixonada por futebol, apaixonante... E ainda a moça intelectual, a que faz versos, a que canta, a que adora o mar, a que não combina comigo, a que não gosta de mim, a que não concorda com nada que eu digo e até a moça do movimento estudantil a criticar o meu “naique” branco...

Pra finalizar, a moça da primavera. Surgida não se sabe de onde, quase trombando em mim e me deixando desorientado por conta de tanta beleza e perfume que espalhava pelo ar. Depois do “quase-trombo” passei por uma pizzaria zanzando por todas as mesas e batendo em algumas, a olhar para trás, a tempo de ver a moça rindo de minha desorientação...

Por qual razão vieram todas de uma vez, num só dia? É para eu voltar a escrever? Tudo bem, voltarei, mas depois não se arrependam...
=]

sexta-feira, outubro 16, 2009

Samba pra minha morena

Eu quero fazer um samba
Pra agradar minha morena
Você pode perguntar
-tal esforço vale a pena?
E eu respondo com alegria
Basta ver minha morena

É tão bela noite e dia
É tão linda o ano inteiro
Ela passa eu suspiro
Ela dança eu arrepio
Morena quando balança
Faz do mundo o que bem quer

Com alegria de criança
Com beleza de mulher
Na roda ela quem manda
Todos querem obedecer
Morena me dê a ordem
Faço tudo por você

Já pensei em fazer um templo
Mas dinheiro eu não tinha
Já tentei fazer poema
Fazer verso eu não sabia
Agora é a vez do samba
Vou tentar sem covardia

Mas depois de todo o esforço
A morena não me quer
Disse pra eu tentar de novo
Sambinha não vai querer
Ai meu Deus o que eu faço
Pra essa moça eu merecer?

=]

quinta-feira, outubro 08, 2009

Obrigado, mais uma vez

Bom, antes de mais nada, peço desculpas pela longa ausência, tempos loucos esses.
Na verdade, eu não vim postar nenhum texto novo, vim só pra agradecer mesmo.

Eu andei pensativo, mais do que o normal, nesses últimos dias.

Na última sexta-feira, dia 02, foi meu aniversário, e eu vim escrever sobre ele hoje.
Eu vim agradecer a todos os meus amigos por tudo que fizeram por mim.
Pelas ligações, mensagens, abraços, postagem, beijos, e-mails, cheiros, ligações, presentes e tudo o mais.

-Recebi até um telefonema anônimo, de uma moça que preferiu não se identificar, tudo bem, vai entender, mas foi engraçado. E até um comentário anônimo (eu nem sabia que o blog não permitia anônimos, desculpe, vou mudar isso) de outra moça que preferiu não se identificar. Será que é a mesma? Bom, obrigado pelas palavras, independente de quem seja.-

Andei pensando que eu sou um mal amigo, pois não sou muito de presentear, não sei o melhor presente, penso demais e acabo não dando nada. E nem sou o amigo mais presente para alguns, que mesmo morando perto, não tem contato comigo com tanta freqüência.

Não queria vir aqui e colocar aquele belo texto que fala dos amigos “basta saber da existência deles...” que eu não lembro bem agora. Eu não sei como agradecer todo mundo, não sei mesmo. Posso dizer que tudo isso me fez um bem danado. Agradeço a todos, os mais próximos e os mais distantes, mas igualmente amigos.

Alguns eu encontro depois de muito tempo e ainda assim, apesar da saudade, a conversa desenrola num clima ótimo, companhias agradáveis demais. E outros/outras, mesmo encontrando todos os dias, mesmo assim ainda há muita coisa para se falar. E para os que não falo muito, poucas palavras trocadas e um grande respeito e admiração mútuos.

Não sei agradecer, não sei mesmo. Mas vou tentar pelo menos dizer obrigado a todos. Eu vou tentar. Prometo, mais uma vez, tentar ser uma pessoa melhor, menos preguiçoso, relaxado, mais estudioso, mais concentrado, mais presente. Mais uma vez, aparecer mais por aqui, vou tentar, como sempre.

As semanas foram muito loucas, aniversário, trabalho, joelho, aulas de direção, muitos amigos em dias diferentes. Foi comemoração na quinta, na sexta e no sábado, e, acredito, ainda no domingo e na segunda. Vou tentar agradece-los, vou tentar.

Pra finalizar, algo que gostaria de falar. Uma amiga minha certa vez me disse que eu atraía pessoas boas, eu tinha essa sorte, más pessoas não cruzavam comigo. E eu acredito cada vez mais nela. Espero continuar com essas pessoas ao meu redor. Espero que minha amizade, minha companhia, meus textos, minhas ausências do que dizer, minhas besteiras, minha alegria, minhas viagens e meu sorriso possam fazer bem à todos como fazem um bem danado para mim.

Até o próximo.
Abraços e beijos fortes e sinceros.
=]