quarta-feira, abril 24, 2013

Poema ao Amor para ser lido balançando na rede


Te amo
E esse amor
maior que o mundo
Cabe muito bem
em meu peito
E esse amor
melhor do mundo
Eu o coloco
em cada beijo
Que eu te dou,
Sempre
E vou te dar
A vida toda

Te amo,
E nem vou te dar
O mundo
Eu vou te dar,
Meu tudo,
Um universo
De carinho
E uma vida
Bem gostosa
Pra nós dois

Escuta, Amor,
Te amo,
E te direi isso
Mesmo em
Silêncio
...

=]

domingo, abril 21, 2013

Eu me declaro culpado


o teu sorriso tem a beleza triste de um pôr do sol
mas tu bem sabes: o pôr do sol é muito mais bonito
e naquele dia, quanto mais eu bebia
mais bonito eu me achava
e dançamos músicas e mais músicas
tantas músicas foram
que eu não lembro de nenhuma
mesmo tu gritando em meu ouvido
"é a nossa música, é a nossa música"
a cada novo acorde
se tivesse tocado a marcha fúnebre
ou o hino de Quixadá
pra mim não faria a mínima diferença

e o teu sorriso feito sol que já se pôs
ainda me faz a falta que eu não te digo
nem por cartas
ou por indiretas do facebook
e o teu cabelo liso e enrolado
que enroscava na minha rala barba
também não faz falta
pra ti

pois quase morro ao lembrar só do cheiro
o que dirá de ficar enrolando-o entre
meus dedos
que recusaram aquele anel de compromisso
porque eu não queria me prender a ti
por conta de um anel
e fugia, como se eu fosse o diabo
e tu, a cruz
eu dizia ser uma alma rebelde
mas de rebelde ela não tinha nada
era só mais uma dessas almas covardes
dessas que há aos montes por aí

e o tempo todo eu vivia a dizer
e o tempo todo eu vivia reclamar
da tua pose de sabe-tudo
pois sabia muito mais que eu
que não sei nada da vida
apenas reclamar
a minha suja boca reclamou tanto
de ti, da vida, dos outros
e esqueceu de reclamar de mim
de todas as minhas canalhices
e cachorradas, brabas

descobri, enfim, que fui muito sabotado
por um inimigo íntimo demais
próximo demais e perigoso demais
eu mesmo

e eu sabia o tempo todo
o tempo todo eu sabia
e ainda sei
que eu tanto sabotava nós dois
por ter medo de ser feliz
por medo de perder essa felicidade
e voltar à tristeza
que eu não suporto mais...
=]

sábado, abril 13, 2013

Dia da Poesia


- Então, hoje é o Dia Nacional da Poesia? É o nacional ou o internacional?
- Hum?...

- Ás vezes eu fico me perguntando de onde vem a poesia... Vem da vida ou do poeta?
- Eu sei de onde ela vem...

- É? E de onde é?
- A poesia vem dos teus lábios, com certeza. Vem dessa tua boca atrevida, linda, que me dá uma vontade louca de encher de beijos e mais beijos...

- Ah, fala sério!
- Eu falo e, infelizmente, só falo, mas se pudesse... Ah, se pudesse! Te agarrava pela nuca e cobriria teu pescoço de cheiros!

- Sério, não vem curtir comigo. Afasta aí. Tu, que escreve, acha que todo mundo é poeta?
- Todo mundo eu não sei, mas o teu corpo eu tenho certeza que é poesia pura. Fico perdido em pensamentos mil só de olhar nos teus olhos. E se começo a imaginar nós dois...

- Ei, vem cá, declama um poema pra mim? Por favor?
-“Eu quero é viver em paz, por favor me beija a boca, que louca, que louca...”

- Ah, safado! Mais isso aí é uma música do Djavan, não vale não! Eu quero um só pra mim!
- Beleza, lá pro fim do mês eu te envio.

- Nada de “lá pro fim do mês eu te envio”. Eu queria agora...
- Mas pra escrever poema eu preciso de um tempo pra pensar. Pra ir escrevendo, apagando, tentando melhorar. Precisa estar inspirado também. Ou então, invento de fazer às pressas e sai uma porcaria...

- Tem certeza que não dá pra fazer um agora?
- …

- Eu vou ficar bem quietinha, tá?
- …

- …
- …

- …
- Desculpa, não consigo. Não consigo mesmo!

- Ahh, e eu me achando aqui, crente que ia ser uma boa inspiração...
- Então, beija minha boca
e esquece do mundo
Prova meu beijo
que eu te levo ao céu
sem sair do chão
Beija minha boca agora
e esquece da gente,
e de todos ao redor.
Cola teu corpo
ao meu
e deixa os corações
baterem
forte,
como um só
Esquece as provas,
as dívidas,
o emprego,
o futuro
e os anéis de saturno

Beija,
com toda a vida,
com todo o amor,
que eu te beijo
o dobro
=]

- Nossa... que poema mais bonito! Lindo demais! É teu mesmo?
- Já foi meu. Não é mais. É teu, mas nunca mais vai escutar de novo. Não conseguirei lembrar dele depois pra escrever. E nem é um poema não...

- Isso não é um poema? O que é então? É uma música? Rap? Repente? Cordel?
- É só desejo. Bruto. E externado...
=]