quarta-feira, novembro 24, 2010

Um dos antigos

Peço desculpas pelo sumiço, sinceras desculpas.

Não pude fazer uam das coisas que mais gosto, escrever e ler os blogueiros amigos.

E isso faz falta, tenham certeza.

Hoje, deixo um dos velhos escritos, que vez por outra eu dou uma olhada, e fico pensando no momento que passou e de vez em quando parece se repetir.

Espero que gostem.

Até o próximo.

Beijos e abraços
=]

Segunda-feira, Outubro 08, 2007
Estou de volta
Olha, voltei,
Era preciso.
Sentia falta.
Desculpa, não agüentei.

E a saudade era grande demais.
O negócio era saber o que faltava...
E percebi, não era algo que corria atrás.
É algo tão simples que nem imaginava.

E muitos podem nem acreditar.
Nem discordo, foi difícil perceber.
Nem sei se é algo normal de ocorrer.
Mas essa saudade era necessária matar.

Sentia falta de mim.

Engraçado não é? Mas é verdade.
Não podia relaxar com essa carência.
E nem venha dizer: isso é coisa da idade...
Sai pra lá razão ou exata ciência.

O mar, o futebol, os amigos.
O computador, um texto, a internet, os delírios.
Uma comida, uma bebida, uma saída.
Nada extraordinário, com muito sentido.

Sentia a falta de escrever e dividir.
De conversar, de pouco falar e muito ouvir.
De muito falar, de se preocupar.
Dos trabalhos, das agonias, de cochilar...

De andar ligeiro, sem olhar pro lado.
De ir bem lento, ficar lesado.
De parar e conversar.
De dizer: vai cara, aparece por lá.

E então o reencontro aconteceu.
Não teve festa, não teve fogos.
Apenas uma sensação de alívio.
De construção sobre destroços.

E a vida continua então.
Contraditória como sempre foi.
Com algumas mudanças.
Mas certas coisas não hão de mudar.

E dessa vez desatou o laço.
De volta a minha pequena loucura.
O caminhar incerto dos passos.
Sem graça é a vida sem procura. (mesmo sem saber do quê)

E olha a gente aqui outra vez.
Com graça, sem grilo.
Com certeza, talvez
De novo, no mesmo estilo.

E só pra finalizar
Quero deixar uns conselhos:
Não tenha medo da vida.
Aprenda a encarar o espelho.
Duvide e acredite em tudo.
Não basta forma sem conteúdo.

=]

4 comentários:

Tamyle Ferraz disse...

Que crítica ao parnasianismo...
não tô aqui para discutir as tendências poética do seu texto...


o conteúdo é leve e verdadeiro...
gostei!

Alberto disse...

Aqui se encontra uma das criaturas mais prepotentes que eu já vi. Um homem que pesca cultura à rede, ou pelo menos isso pensa que faz, e continua com a sensação de ainda por cima escrever. Aqui está a derradeira ideia, a mais perigosa, a de que escrever um blog nos permite defenir a cultura e enche-la de tudo o que é a nossa mediocridade e não o que ela devia originalmente ser. Assim se cria a penúria da pseudo-cultura, aqueles que pensam que o conhecimento não necessita de esforço, aqueles que se contentam em conhecer aquilo que um determindado grupo de pessoas conhece e chamar a isso entre eles de cultura. Como o mundo se corroi naquilo que era puro e elevado e que agora é conspurcado na tentativa de fazer simples as coisas mais complexas que a humanidade já fez, as mais belas, as que valem a pena. O verdadeiro conhecimento.

Cumprimentos,

Pode encontrar-me em albertofontescarvalho@sapo.pt

Jéssica Trabuco disse...

Conselhos absorvidos!

"Não tenha medo da vida.
Aprenda a encarar o espelho.
Duvide e acredite em tudo.
Não basta forma sem conteúdo."

Leni.com disse...

Da leveza e simplicidade pode se obter grandes conteúdos humanos;assim sinto o seu blog.