domingo, outubro 24, 2010

Conversa com a psicóloga...

- Então, é a sua primeira vez?
- Não, não. A minha primeira vez foi lá no interior onde uma tia minha mora com doze anos e aí...

- É a sua primeira vez com uma psicóloga?
- Não, não. Foi no carnaval de 2005, tinha uma psicóloga na casa e estavam todo alterados e aí...

- É a primeira vez que você se consulta com uma psicóloga?
- Ah, sim, sim.

- Você só pensa nisso?
- Naquilo?

- É?
- Naquilo o quê?

-...
- Hum?

- Vamos começar do começo, então.
- As preliminares?

- O começo da sua história!
- Ah, beleza. Meu pai conheceu minha mãe, numa discoteca ou tertúlia, nem lembro, uma coisa assim. Ele era meio John Travolta, sendo que numa versão tupiniquim de boca de sino e mais feinho. Minha mãe tinha um cabelão estiloso que devia gastar um quilo de gel ou laquê ou sei lá o que usavam naquela época. Aí depois do baile, conversa vai, conversa vem, tal, tal e aí eu to aqui.

- Na verdade, eu quero saber por qual motivo você está aqui. O tempo da consulta está passando.
- Minha “mãe” que disse pra eu vir.

- Hum, Édipo...
- Não, nada de Complexo de Édipo. Deus me livre mexer com a minha mãe. Com a dos outros, até que vai. Brincando.

- E por qual razão a senhora sua mãe disse pra você vir aqui??
- É minha “mãe”, entre aspas. É uma amiga que ás vezes parece minha mãe, na parte de dar conselhos e sermões.

- E você tá com algum problema?
- Agora eu tô liso, liso. Eita, consulta cara...

- E o tempo está passando...
- Pois bem. Vamos lá. Alice disse pra eu vir. Disse que eu não posso sair amando todo mundo por aí. Eu disse que não é todo mundo, são só algumas mulheres, inclusive ela e a prima dela. Mas eu não consigo deixar de ter tanto amor, se eu deixar só pra mim ou só pra uma pessoa é capaz de sufocar. Aí eu saio amando por aí e distribuindo amor e carinho.

- Isso, você tem que assumir...
- Opa, como assim? Assumir? Eu sempre digo pro Julinho assumir, se ele gosta de homem é opção dele e ninguém tem nada com isso...

- Eu disse no sentido de você assumir o seu problema.
- Ah, certo, beleza. Mas não diz pro Julinho que eu entreguei ele não.

- Resumindo, você é um cafajeste.
- Quem te contou?

- Ah, então é verdade?
- Pois é, nem é. Muitas vezes eu nem faço nada, e olha que eu não sou nem rico e nem bonito. Danço mal, gaguejo, me visto mal e só conheço piadas sem graça. Aí, algumas mulheres, eu até as entendo, precisam de amor e carinho e acabam me conhecendo, ou eu conhecendo elas. E aí, dá é certo. Elas querendo receber e eu querendo amar demais. Tem casos que eu tenho culpa, verdade. Mas tem tantos outros que sou inocente. Ajudei em traições até, passado distante, mas to evitando esse tipo de coisa. Negócio que só tem homem que só percebe a maravilhosa mulher quando tem outro de olho. Ou então é sentimento de posse, vai saber.

- E o que te faz conseguir tantos amores?
- Nem sei e nem são tantos assim... São alguns, mais ou menos... Tudo bem, são muitos.

- E você quer parar? Você não pensa nos sentimentos delas? Que pode fazê-las sofrer?
- No final da história eu acabo sozinho, elas voltam aos namorados, maridos, pro carinha que gostavam antes. Eu sou só uma sombra durante uma caminhada. Algumas se lembrarão de mim daqui a dez anos, serei uma boa lembrança. Outras, não contarão pros netinhos que me conheceram, nem pras amigas de hoje.

- E por qual motivo insiste nessa vida?
- Eu não, ela que insiste comigo. Brincando. Estou pensando em parar. Depois do carnaval do próximo ano eu paro. É porque eu não suporto ver mulher sofrendo, se eu posso fazer tantas felizes com um pouco de mim, ainda que seja uma rápida aventura, por que não? Eu não sou um anjo, muito menos um capetinha a infernizar essas mulheres. Mas se ás vezes eu dou um tempo, me aquieto, por que ficam me tentando?

- Você é realmente bom assim?
- Olha, eu não sei dizer. Pera, telefone. Oi. Sim. Vamos nessa. Claro, tudo bem. Amanhã depois do trabalho eu passo aí pra gente “conversar”. Ceeerto. Até, beijos. Pois então, voltando. Não tem como dizer. É uma questão de prática e não de teoria. Algumas aventuras duram só uma noite, outras tantas duram semanas, meses, anos...

- O tempo está acabando...
- Já vai dar 19h? E o meu problema?

- Deixe-me ver uma coisa aqui... Nós ainda temos quinze minutos
-...

~~~~~~
- E aí, Cafas! Como foi a consulta que a Alice disse pra tu fazer?
- Arthurzinho, foi boa, mas foi rápida...

- E no que deu?
- Deu em um cinema e um jantar. A psicóloga disse pra eu voltar mais vezes porque o tratamento vai ser demorado...
=]

14 comentários:

Tamyle Dias Ferraz disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk




essa foi a melhor história do Cafa.
Rafael, vc se supera!
bjão
[saudades]

Rafael disse...

"No final da história eu acabo sozinho, elas voltam aos namorados, maridos, pro carinha que gostavam antes. Eu sou só uma sombra durante uma caminhada" muito triste isso

parabéns pelo texto Rafa ;)

Rafael Lolaia disse...

adooorei!
seguindo aqui :D

c.miChel disse...

eita...rs boa história rafael. que cara complicado heim! jesuis!..rs abraço fio.

YslanRodrigues disse...

ei maxo, esse texto é a tua cara. Finalmente um texto que fale da sua pessoa. hehehe

abraço

Gisa Carvalho disse...

"Mas eu não consigo deixar de ter tanto amor, se eu deixar só pra mim ou só pra uma pessoa é capaz de sufocar. Aí eu saio amando por aí e distribuindo amor e carinho."

Rafa, mt bom o texto. Já disse que meu sonho é ser personagem (real) de uma história dessas, né?

Mais que cafajestagem, é carinho. E quem não resiste a ele?

Rafaela Ferreira disse...

Muito boa, muito boa kkkkkk
Era lendo e rindo sozinha.
Adoreiiii o texto!!
Ps: concordo com o comentario do Yslan !! :X

José María Souza Costa disse...

Muito bom. Interessante o seu blog.estou lhe convidando a visitar o meu e se possivel seguirmos juntos por eles Estou lá esperando por vc
http://josemariacostaescreveu.blospot.com

José María Souza Costa disse...

Muito bom. Interessante o seu blog.estou lhe convidando a visitar o meu e se possivel seguirmos juntos por eles Estou lá esperando por vc
http://josemariacostaescreveu.blospot.com

Katherine disse...

Desculpe a minha ignorãncia.. mas vc fez a crônica?

me responde la no meu blog por favor..

achei espetacular sério mesmo.. nossa eu gostei demais.. me pegou em cheio e me deixou presa do inicio ao fiz..

bem vamos ao que achei pode ser?

me definiu, pois é me definiu de verdade.. em cheio rsrs pq td tem que ter titulo? fachada? posse? pq tudo tem que ser distribuido e quem pegar primeiro pegou quem nao pegou num pega mais? parece infantil mas eu penso muito assim.. pq quando vejo o que tem de interessando nao vou generalizar, ja tem dona.. quer dizer eu devo ter imã pra isso so pode rsrs.. mas enfim gostei mesmo problemas eles existem? vamos resolvê-los d amelhor forma possivel e que seja amandoo!!!!!!!!!!!!!!!!

Juss disse...

Esse texto nem tem só mulher comentando, hein. huoasdoiuhasdoiuhasdoihu

E eu não falo por mim, mas pelo que eu li nos outros comentários...

É a tua cara, hein, bichão.
huasodouihasdouhasdoiuasd

paula disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

adoreii ..

Inacreditável Mundo de Múltipla Lua disse...

ai, ai como faz-me bem viajar aqui depois te ver as estrelas luzir la fora!!! Esses escritos fizeram-me voara longe!!!

Bjinho grandew!!!!

C.A. :) disse...

KKKKKKKKKKKKKKK,
se sua intenção foi fazer alguem da um sorriso, parabens! vc é excelente nisso :D kkkk