segunda-feira, outubro 16, 2017

Linda é pouco

- Linda? Ah, não, que é isso? Linda é pouco, não dá conta. Sim, eu sei que a beleza dela deixa a gente sem palavras, como se o adjetivo não estivesse à altura de tanta lindeza, mas, não sei.

Linda não é o bastante, não só por isso que te disse, mas é porque é também muito superficial, sabe? Parece ser apenas isso: beleza, lindeza. Algo exterior e comum. Reduz, e isso não é bom, apesar de ser um elogio.

Ao falar apenas isso sobre ela nós estamos cometendo uma injustiça. Dizer somente "linda" ignora o ser, as lutas travadas. Como se ela, desde criança, não tivesse lutado para ser o que quisesse; independente de ser algo bestamente categorizado como "de menino" ou "de menina".

Dizer só isso é não valorizar a luta cotidiana contra o machismo e a misoginia. É deixar de lado a dedicação fora do comum pela afirmação por meio da competência, e mesmo assim ouvir piadinhas como "só porque é bonita", "só porque é mulher" ou "deve ter um caso com o chefe", e outras asneiras de gente invejosa.

Adjetivar assim me faz pensar quantas vezes ela não foi elogiada como se fosse um objeto, sem alma, sem história. Como se ela não tivesse chorado de raiva por terem duvidado de sua capacidade por ser mulher, seja na escola, faculdade ou mercado de trabalho, e ter transformado as lágrimas em mais força de vontade.

Comentar apenas o superficial não dá conta também que ela é protagonista da própria história, que faz o que bem quer, independente dos comentários. É não perceber que ela ligou o botão do "foda-se" para a hipocrisia e para essa gente que se incomoda negativamente com a vida dos outros.

Linda? Sim, com certeza, mas muito mais do que isso.

- Cara, não sabia que vocês eram tão amigos e que você a conhecia tão bem.

- Ah, não, não. A gente nunca conversou, apenas seguimos um ao outro no Instagram...

Nenhum comentário: