sexta-feira, dezembro 21, 2012

A louça do Cafas

- Fala, Arturzinho. Beleza, Alice?
- Beleza, Cafas.
- Tudo ótimo, seu cafas. Que carinha triste é essa?

- Nem sei se é tanta tristeza assim.
- O que aconteceu?
- Perdeu alguma das inocentes?

- Deixa dessa conversa, Alice. Não foi nada de mais. Só uma conversa com meu pai há pouco tempo.
- Ele te mandou tomar juízo?
- Ele te mandou deixar de ser um cachorro?

- Estou muito bem de amigos mesmo, viu? Nada disso, só uma conversa besta. Eu tava lá escutando rádio e cantando aquela "amarelo deserto e os três tenores", do Djavan, quando ele apareceu.
- E aí?
- Sim, falando em música, escutei a tua ontem.

- Minha música? Como assim?
- Como assim, Alice?
- “O cara que diz que pensa em você toda hora/ que enrola todas e nunca namora/ que diz sempre ‘não posso, preciso viver’/ porque ele só quer pegar você/ e no meio da noite ele some/ nunca diz que te ama/ esse caaaaafas sou eu”.

- Alice... Menos, tá? Menos...
- Deixa disso! Eu achei ótima! Vou já colocar no Face.
- Não tenho culpa por ser tão criativa.

-Enfim, ele chegou e disse logo assim: “Tua mãe sabe dessa tua tentativa?”. “De ser cantor?”. “Não, de ser doméstica”. Aí eu comecei a rir, pensando ser uma piadinha mesmo.
- E não era?
- E ele não reclamou da tua cantoria desafinada e sem ritmo?

- Ele tava sério. Aí começou: “Rapaz, deixa isso pra tu mãe ou pra tua irmã. Isso é trabalho de mulher”. "Pai, elas vão chegar cansadas. Como eu não tô fazendo nada mesmo, vou ajudar”.
- E ele falou sério mesmo?
- E tu falou sério mesmo? Tu não perdeu uma aposta com tua mãe ou irmã não?

- Tudo sério. Ele ainda disse assim: “Cuidado não pra ir ficando afeminado”.
- Hum, sempre desconfiei.
- Nunca me enganou.

- Fiquei com muita raiva, mesmo sabendo que a criação dele foi assim e ser muito complicado mudar. Mas não ia permitir preconceitos e muito menos sair perdendo. “Pai, pois eu vi uma pesquisa interessante ontem dizendo que os homens que ajudam nos afazeres domésticos são mais felizes”. “E tu fica feliz lavando louça?”. “Eu fico feliz em ajudar, afinal, não custa nada. E ainda tem outra coisa, depois de lavar louça eu fico com um tesão danado, com uma vontade de sair beijando todas as mulheres. Pense numa sensação gostosa”. Ele olhou meio de lado, desconfiado, e saiu.
- Ele acreditou nessa conversa fiada?
- Isso é verdade mesmo?

- A parte da pesquisa é verdade mesmo, vi ontem no jornal. A segunda parte também. Coisa de doido, eu sei, mas tomara que ele acredite. Espero ver meu pai lavando a louça do jantar.
- A conversa tá boa, mas eu vou indo. Terminar de fazer umas coisas lá em casa.
- Vai lavar uma louça também, né, Arturzinho? Vai cair na conversa desse cafas?

- Não é conversa. Já falei. É coisa minha.
- Eu vou pra casa. Estudar. Tenho prova e também não nasci ontem. Conheço a peça.
- Sei.

- E tu, Alice?
- Eu tô bem, de férias já. Vamos lá em casa?

- Rum, já vi tudo. Vai me colocar pra lavar a louça e ver se a história é verdadeira, né?
- Como tu é inocente... E eu sou besta? Nasci ontem? Quem disse que tu precisa lavar um monte de louça pra ter essa vontade? Tu tem essa vontade de agarrar todo mundo o tempo todo, eu sei. Deixa de conversa besta e vamos andando. Não vamos perder tempo com besteiras...
=]

2 comentários:

Tamyle Ferraz disse...

Gostei da paródia do Roberto Carlos...
Sou suspeita pra falar, pq sou fã das histórias do Cafas!




Agora vou sair aqui da net e botar meu namorado pra lavar uma louçinha ali.

Jéssica Trabuco disse...

hahah...
ADOREI!